História da Grécia

A história da Grécia envolve o estudo das áreas gregas, dos governos por eles criados e do território da Grécia atual. O âmbito da população e do governo do povo grego tem sofrido várias mudanças ao longo dos anos.

GRÉCIA
GRÉCIA

Como consequência, é por isso que a história da Grécia reflete esta elasticidade. Os períodos tem seus valores apresentados durante o passar dos anos. Os gregos chegaram na Europa antes de 1500 A.C. em seu tempo de auge, os gregos dominaram todo o território povos de Grécia, Egito e Índia.

Durante o seu apogeu, a civilização grega governou todo o território entre a Grécia, Egito, e Índia. Os gregos estabeleceram tradições de justiça e de liberdade individual, que serviram para estabelecer a democracia contemporânea.

História da Grécia

A sua arte, filosofia, e ciência tornaram-se fundamentais para o pensamento da cultura ocidental. Os antigos gregos chamavam-se Hellenes (e todos aqueles que falavam grego, mesmo que não vivessem na Grécia).

Também chamavam à sua terra Hellad, aqueles que não falavam grego eram chamados de bárbaros. Durante a antiguidade nenhum governo nacional foi formado, apesar de estarem unidos pela mesma cultura, religião e língua.

No passado remoto, a língua grega chegou hoje ao mundo, e muitas das minorias gregas permaneceram nos seus territórios (Turquia, Itália, Líbia, Levante) e os emigrantes gregos entrincheiraram-se nas diferentes sociedades em todo o mundo.

Hoje em dia, porém, a maioria dos gregos vive nos estados da Grécia Contemporânea de forma independente desde 1821 e também em Chipre, que é independente desde 1960.

Conteúdos

1 Civilização do Egeu: Grécia pré-histórica
2 Micenas – Idade do Bronze
3 Idade Média – Idade das Trevas
4 Período Arcaico
5 Período Hellenístico
6 Período Greco-Romano
7 Período Bizantino
8 Período Otomano
9 Período Moderno

Civilização do Egeu: Grécia pré-histórica

A primeira civilização a aparecer na Grécia foi a Civilização Minoana, no Mar Egeu. Esta cultura teve lugar aproximadamente entre 2600 AC e 1450 AC e, em comparação com períodos mais recentes da história grega, pouco se sabe sobre os minóicos.

Aparentemente, os Minoanos eram um povo pré-industrial, a sua língua era conhecida como eteocretana e não tem qualquer relação com a língua grega. Os minoanos eram principalmente um povo mercante, estavam envolvidos no comércio marítimo.

Período Micénico – Idade do Bronze

Mycenaean Grécia, também conhecida como Grécia da Idade do Bronze, é o nome dado à civilização da Idade do Bronze do antigo período Helládico.

A cultura grega desse período durou desde a chegada dos gregos ao Egeu por volta de 1600 AC até ao colapso da sua civilização da Idade do Bronze em 1100 AC.

É este período que é referido nas obras épicas de Homero, bem como em grande parte da mitologia grega. O período micénico teve o seu nome adoptado da área arqueológica de Micenas, uma cidade no nordeste de Argolid, uma região do Peloponeso (enorme península no sul da Grécia).

Atenas, Pylos, Tebas e Tirynthos são também importantes sítios arqueológicos do período grego micénico. A civilização micénica foi dominada por uma aristocracia guerreira.

Por volta de 1400 a.C. os micenas estenderam o seu controlo a Creta, o centro da civilização minóica, e adoptaram uma forma do guião minóico para que pudessem registar a sua variante primitiva da língua grega.

O novo sistema de ortografia (símbolos que representam a nova língua grega minóica), o sistema de escrita micénica, seria chamado Linear B.

Os micénicos enterrados nos seus nobres dumbs (grego: θόλοι; THOLOS singular; literalmente “cúpula” ou “cúpula”), grandes câmaras funerárias circulares com um tecto abobadado alto e uma entrada rectangular aberta, forrada com as pedras a partir das quais o enterro foi feito.

A aristocracia era frequentemente enterrada com máscaras de ouro, tiaras, armaduras e armas incrustadas com jóias. Micenas foram enterradas numa posição sentada, e algumas foram mumificadas.

Idade Média – A Idade das Trevas

A Idade das Trevas da Grécia (ca. 1200-800 a.C.) refere-se ao período da pré-história grega que começa com a alegada invasão dórica, fazendo o fim da civilização micénica no século XI a.C., terminando no aparecimento das primeiras cidades-estado gregas no século IX a.C., com os poemas épicos de Homero e os primeiros exemplos de escrita alfabética grega no século VIII a.C.

O colapso do período micénico coincidiu com a queda de vários outros grandes impérios no Médio Oriente, nomeadamente os impérios hitita e egípcio.

A razão pode ser atribuída a uma invasão da população Talassocrática pela posse de armas de ferro. Quando os Dorians apareceram na Grécia que também estavam equipados com armas de ferro superiores, facilmente viram os Micenas já fracos.

O período que se seguiu a estes acontecimentos chama-se Idade das Trevas na Grécia ou a Idade das Trevas grega. A arqueologia mostra que a civilização do mundo grego entrou em colapso durante este período.

Os grandes palácios e cidades de Micenas foram destruídos ou abandonados. A língua grega deixou de ser escrita. A arte oleira da Grécia durante a Idade Média mostra desenhos geométricos simples, sem a rica decoração figurativa de artigos micénicos.

Os gregos do período da Idade Média viviam em habitações mais pequenas e dispersas, sugerindo fome, escassez de alimentos, e uma população em declínio.

Quaisquer artigos importados foram encontrados em sítios arqueológicos, mostrando que o comércio internacional era mínimo. O contacto entre potências do mundo exterior também se perdeu durante esse tempo, resultando num lento progresso cultural e na atrofia de qualquer tipo de crescimento.

Período Arcaico

O período arcaico decorre entre o século XII e o século VII a.C. Todo o período da história grega anterior ao Império Romano é geralmente referido como “Grécia Antiga”, enquanto “Grécia Arcaica”, um termo utilizado pelos historiadores, refere-se especificamente a um dos períodos da antiguidade grega.

Alguns escritores incluem as eras das civilizações minóica e micénica no período grego arcaico, outros defendem também a tese de que estas civilizações eram tão diferentes das culturas gregas posteriores que deveriam ser classificadas separadamente.

Grécia

Tradicionalmente, diz-se que o período Arcaico grego começou com a data dos primeiros Jogos Olímpicos em 776 AC, mas a maioria dos historiadores datam agora deste intervalo cerca de 1000 AC.

A data de transição para o fim deste período é a morte de Alexandre o Grande em 323 AC, que marcou o início do período classificado como helenístico.

No entanto, nem todos observam esta regra de distinção entre a Grécia arcaica e helénica, alguns escritores preferem considerar a antiga civilização grega como um continuum prolongado antes da vinda do cristianismo no século III d. C.

A Grécia arcaica é considerada pela maioria dos historiadores como sendo uma cultura que representou a fundação da civilização ocidental. A cultura grega foi uma poderosa influência sobre o Império Romano, que se estendeu por toda a parte através desta cultura.

A civilização da Grécia arcaica foi uma influência no mundo moderno, em vários aspectos culturais, tais como língua, política e educação e escolaridade, bem como filosofia, arte e arquitectura.

Foi principalmente durante a Renascença na Europa Ocidental e novamente durante vários períodos do Neoclassicismo nos séculos XVIII e XIX, tanto na Europa como na América.

A unidade política básica na Grécia arcaica era a polis, que é geralmente traduzida como o estado da cidade. A própria palavra “polis” – “polity”, vem do grego “public affairs”.

A cidade naqueles tempos era independente, pelo menos em teoria. Algumas cidades podem ter estado subordinadas a outras, e outras adoptaram formas de governo maiores.

Período Helenístico

O período helenístico da história grega começa com a morte de Alexandre o Grande em 323 AC e termina com a anexação da península grega e das ilhas da República Romana em 146 AC.

Apesar disso, o domínio romano não quebrou a continuidade da sociedade com a cultura helenística, que permaneceu a mesma até à chegada do cristianismo, mas marcou o fim da independência da política grega.

Durante o período helenístico, a importância da Grécia em si mesma e no mundo de língua grega foi claramente delineada. Os grandes centros da cultura helenística estavam em Alexandria e Antioquia, as capitais de Ptolemaic Egypt e Seleucid Syria, respectivamente.

Outros centros importantes foram Esmirna, Seleucia, Éfeso, e Pergamum, todos fora da Grécia continental. Atenas e os seus aliados (todas as populações da Grécia central e do Peloponeso, com excepção de Esparta), ao receberem a notícia da morte de Alexandre, revoltaram-se contra a Macedónia.

Mas foram derrotados no espaço de um ano, na guerra de Lamiac. Enquanto isso, uma luta pelo poder foi intensa. Ptolomeu foi deixado com o Egipto, Seleuco com o Levante, Mesopotâmia e algumas cidades do leste.

O controlo da Grécia, Trácia e Anatólia foi contestado, mas em 298 a.C. a dinastia Antigonid suplantou Antipatris, o controlo macedónio das cidades-estado gregas era intermitente, com ou sem revoltas.

Atenas, Rodes, Pergamum e outros estados gregos mantiveram uma independência substancial, juntando-se à Confederação Aetoliana com a intenção de defender esta independência.

A confederação Achaiana, teoricamente sujeita à dinastia Ptolemaic, era de facto independente mas controlada pela maior parte do sul da Grécia. Esparta também permaneceu independente, mas recusou-se a fazer parte das confederações.

Em 267 AC, Ptolomeu II persuadiu as cidades gregas a iniciar uma revolta contra a Macedónia, resultando na Guerra Cremonídea, assim chamada em homenagem ao líder ateniense Cremonides.

As cidades gregas foram derrotadas e Atenas perdeu a sua independência, e também as suas instituições democráticas. Isto marcou o fim de Atenas como actor político, embora tenha permanecido a maior, mais rica e mais cultivada cidade da Grécia.

Em 255 AC, a Macedónia derrotou a frota egípcia em Cos e estendeu o seu domínio a todas as ilhas do Egeu excepto Rodes. Esparta permaneceu hostil aos Achaeans, e em 227 AC acabou por quebrar Achaea, para ganhar o controlo da Confederação.

Achaean preferiu distanciar-se da Macedónia e aliar-se com Esparta. Em 222 a.C., o exército macedónio derrotou os espartanos e anexou a cidade – foi a primeira vez que Esparta foi ocupada por uma potência estrangeira.

Filipe V da Macedónia foi o último governante grego a ter tanto talento como a oportunidade de unir a Grécia e preservar a sua independência contra o poder de Roma, mas morreu de uma ferida.

A Primeira Guerra da Macedónia eclodiu em 212 a.C., que terminou de forma inconclusiva 205 a.C.. A Macedónia, no entanto, foi marcada como um inimigo de Roma.

Em 202 a.C., Roma derrotou Cartago. Em 198 a.C. rebentou a Segunda Guerra da Macedónia – por razões obscuras, mas basicamente porque Roma via a Macedónia como um aliado no potencial dos Seleucidas, a maior potência do Oriente.

Os aliados de Filipe na Grécia foram eventualmente derrotados na Batalha de Cinoscefalia pelo cônsul romano Titus Quinctius Flamininus.

Felizmente para os gregos, Flamininus era um homem de moderação e um admirador da cultura grega, além de conhecer e falar a língua, razão pela qual, de facto, muitos dos aliados de Filipe se tinham aliado a Flamininus.

Filipe teve de recontar a sua frota e voltar a ser um aliado dos romanos, salvando-se assim. Durante os Jogos Istmian, realizados no istmo de Corinto em 196 a.C., Flaminius declarou, em meio ao entusiasmo geral, a independência das cidades gregas, tornando-as livres.

Roma substituiu a democracia por regimes aristocráticos submersos ao Império Romano, em todas as cidades exceto Rodes, dando uma falsa ilusão de liberdade completa aos povos.

Período Greco-Romano

Militarmente, a Grécia tinha entrado num tal declínio que os romanos conquistaram todo o seu território (168 a.C. em diante) – apesar da cultura grega, os romanos venceram.

Embora o início do domínio romano sobre a Grécia tenha sido convencionalmente datado com o saco de Corinto por Lucius Muamius em 146 AC, e não o fim da Guerra Acaean, a Macedónia já tinha caído sob controlo romano com a derrota do seu rei, Perseu, por Lucius Emilius Paulus Macedonius na Batalha de Pidna em 168 AC, no final da Terceira Guerra da Macedónia.

Os romanos dividiram a região em quatro repúblicas menores em 146 AC, e a Macedónia tornou-se oficialmente uma província romana, fazendo de Salónica a sua capital.

As restantes cidades e estados gregos prestaram gradualmente e finalmente homenagem a Roma, enterrando a sua autonomia de jure. Os romanos deixaram a administração local para os gregos na condição de não tentarem abolir a política internacional.

Athens

A Agora de Atenas continuou a ser o centro da vida cívica e cultural. A introdução de Caracala no ano 212 d.C., chamado Édito de Caracala, concedeu a cidadania romana a pessoas nascidas fora da península Itálica e a todos os homens adultos em todo o Império Romano, para que as populações provinciais tivessem o mesmo estatuto dado à própria cidade de Roma.

A importância deste decreto é histórica, e não política, uma vez que serviu de base para a integração dos mecanismos económicos e judiciais do Estado, e o mesmo poderia ser aplicado em todo o Mediterrâneo da mesma forma que o Lácio tinha, em toda a Península Itálica.

Na prática, é claro, a integração não ocorreu de forma uniforme. As sociedades já integradas em Roma, por exemplo a Grécia, foram favorecidas pelo Édito, em comparação com sociedades mais distantes e muito mais pobres ou culturalmente diferentes, por exemplo a Grã-Bretanha, Dacia e Alemanha.

Período Bizantino

A história do Império Bizantino é descrita pelo estudioso August Heisenberg como a história “do estado romano da nação grega que se tornou cristã”.

A divisão do império em Ocidente e Oriente e o subsequente colapso do Império Romano no Ocidente foi um desenvolvimento que acentuou de forma constante a posição dos gregos no império.

O papel de Constantinopla começou quando Constantino transformou Bizâncio na nova capital do Império Romano, cujo nome foi alterado para Constantinopla. A cidade, situada no coração do helenismo, tornou-se um marco para os gregos da era moderna.

Constantino e Imperador Justiniano exerceram o seu domínio sobre Roma durante o período de 324 a 610. A tradição romana foi assimilada, mas os imperadores procuraram servir de base para novas melhorias e para a subsequente formação do Império Bizantino.

Os esforços para salvaguardar as fronteiras do império e restaurar os territórios romanos marcaram os primeiros séculos.

O primeiro período bizantino foi marcado por pelo fim da cultura ortodoxa, e disputadas acirradas nas fronteiras imperiais por disputas hereges.

Na primeira metade do período bizantino, o império foi atacado pelos inimigos daquela época, os persas, lombardos, avars e escravos, e pelos novos grupos que apareceram pela primeira vez na história, que eram os árabes e os búlgaros.

A principal característica deste período é o facto de os ataques inimigos não terem reduzido as fronteiras do Estado, mas feito com que estas se estendessem muito além.

Período Otomano

Duas migrações da Grécia obtiveram posições com a chegada dos otomanos. O primeiro era constituído pela camada intelectual grega, que migrou para a Europa Ocidental, o que influenciou a emergência da Renascença.

A segunda foi a migração de gregos que deixaram as planícies da península grega para se estabelecerem nas montanhas. O país consistia principalmente em terreno montanhoso que impedia a conquista pelos otomanos na sua totalidade.

Havia muitos clãs nas montanhas gregas e em toda a península e ilhas. Os Sphaakiotes de Creta, os Suliotes de Épiro, e os Maniotes do Peloponeso estiveram entre os clãs de montanha mais resistentes em todo o período otomano.

Entre os finais dos séculos XVI e XVII, muitos gregos começaram a migrar das montanhas para as planícies. O sistema de milheto contribuiu para a coesão étnica dos gregos ortodoxos ao segregar a população do Império Otomano.

Os gregos que viviam nas planícies durante a ocupação otomana eram cristãos que sofriam às mãos do governo estrangeiro ou gregos criptográficos. Muitos gregos converteram-se à criptografia, a fim de evitar os elevados impostos, mantendo ao mesmo tempo a sua relação com a Igreja Ortodoxa Grega um segredo.

Período Moderno

O Império Otomano governou a Grécia até ao início do século XIX. Em 1821, os gregos revoltaram-se, declarando a sua independência na Guerra da Independência da Grécia, embora só tenham conseguido a emancipação efectiva em 1829.

As elites dos países europeus viram a Guerra da Independência grega como um exemplo das atrocidades cometidas pelos turcos. Durante o século XIX e início do século XX, na sequência de uma série de guerras contra os otomanos, a Grécia procurou alargar as suas fronteiras para incluir a população de etnia otomana.

Na Primeira Guerra Mundial, a Grécia juntou-se às potências da Tríplice Entente para lutar contra o Império Otomano e a Tríplice Aliança. Após a guerra, foi concedida à Grécia partes de Aria Menor, incluindo a cidade de Esmirna, cuja população era maioritariamente grega.

Nesta altura, os nacionalistas turcos, derrubando o governo otomano, encenaram um ataque militar contra as tropas gregas e derrotaram-nas. Imediatamente, centenas de milhares de turcos que viviam no território da Grécia continental, mudaram-se para fugir para a Turquia.

No entanto, milhares de gregos que viviam na Turquia foram enviados para a Grécia. A Grécia também deu um contributo muito decisivo aos Aliados na Segunda Guerra Mundial.

Anos mais tarde, desde a restauração da estabilidade democrática, a prosperidade económica da Grécia estava a crescer. O país aderiu à União Europeia em 1981 e adoptou o Euro como sua moeda em 2001.

Novas infra-estruturas, fundos da UE e receitas do turismo estavam a aumentar, e as indústrias de serviços, electricidade e telecomunicações trouxeram os gregos a um nível de vida sem precedentes.

Ainda existem tensões entre a Grécia e a Turquia sobre Chipre e a delimitação das fronteiras no Mar Egeu, mas as relações entre os países face às catástrofes naturais mostram que, acima de tudo, existe uma ajuda generosa e simpatia de ambos os lados.

Leave a reply