REVOLTA ARISTOCRÁTICA

REVOLTA ARISTOCRÁTICA

A Revolução foi formada na França quando Charles-Alexandre de Calonne (general de finanças), ordenou a reunião de uma assembleia de “notáveis” (grandes nobres, prelados, e vários representantes da burguesia). O objetivo da reunião era oferecer reformas destinadas a eliminar o déficit orçamentário através do aumento da tributação das classes privilegiadas. A assembleia se recusou a assumir a responsabilidade pelas mudanças, de modo que pretendia reunir o Estado Geral, que incluía a aristocracia e o clero, e o Terceiro Estado (os plebeus) e que não se reunia desde 1614. Os esforços feitos pelos seguidores de Calonne para impor mudanças econômicas, apesar da resistência dos grupos privilegiados, levaram à chamada Revolução dos “órgãos aristocráticos”, notadamente a do parlamento (os mais importantes tribunais de justiça), cujas autoridades foram reduzidas com a proclamação de maio de 1788.

revolta aristocrática
revolta aristocrática

Na primavera e no verão de 1788, houve tensão entre a população de Paris, Dijon, Grenoble, Pau, Toulouse e Rennes. O rei, Luís XVI, foi forçado a ceder. Ele conseguiu reconduzir Jacques Necker ao cargo de ministro das finanças e garantiu a convocação do General das Fazendas em 5 de maio de 1789. Ele também, na prática, recebeu a liberdade de imprensa, e a França foi inundada de panfletos que se aproximavam da reconstrução do Estado. As eleições para as Fazendas Gerais, que foram realizadas entre janeiro e abril de 1789, coincidiram com os distúrbios seguintes, já que a colheita do ano anterior havia sido pobre. Quase não houve exclusões da votação, e os eleitores elaboraram os Cahiers de doléances, que listaram suas reclamações e esperanças. Foram eleitos seiscentos deputados para o Terceiro Poder, assim como 300 para o clero e 300 para a nobreza.

CONTRA-REVOLUÇÃO

Os eventos na França deram nova esperança aos revolucionários que haviam falhado alguns anos antes na Bélgica, nas Províncias Unidas e na Suíça. Da mesma forma, todos aqueles que desejavam mudanças na Irlanda, na Inglaterra, nos estados alemães, nas terras austríacas ou na Itália encararam a Revolução com simpatia.

Vários contra-revolucionários-eclesiásticos franceses, nobres e alguns burgueses-esquerdistas enfrentaram a luta em sua pátria e emigraram. Como “emigrados”, muitos criaram grupos armados próximos à fronteira nordestina da França e procuraram ajuda dos governantes da Europa. Os governantes foram no início neutros em relação à Revolução. Ainda assim, eles começaram a se preocupar quando a assembleia Nacional Constituinte anunciou um princípio revolucionário do direito internacional – isto é, que o povo tinha o direito de autodeterminação. Por este princípio, o território papal de Avignon foi reintegrado à França em 13 de setembro de 1791. No início de 1792, tanto os radicais, entusiasmados em divulgar as leis da Revolução, quanto o rei, esperançosos de que a Guerra aumentaria sua autoridade ou permitiria que soldados estrangeiros o resgatassem, aprovaram uma política agressiva. A França anunciou a Guerra contra a Áustria em 20 de abril de 1792.

A primeira fase

Durante a primeira fase da Guerra (abril-setembro de 1792), a França sofreu algumas derrotas; em julho, a Prússia entrou na Guerra, e um exército austro-prussiano cruzou a fronteira e avançou rapidamente em direção a Paris. Acreditando que a monarquia os havia traído – na verdade, a rainha nascida na Áustria, Marie-Antoinette, havia instado em particular seu irmão, o Santo Imperador Romano Leopoldo II, a atacar a França como uma medida de resistência – os revolucionários de Paris se levantaram em 10 de agosto de 1792. Eles conseguiram ocupar o Palácio Tuileries, onde Luis XVI vivia e capturou a família real no Templo. Em setembro, a multidão parisiense invadiu as prisões e matou o clero e os nobres que lá se encontravam. Ao mesmo tempo, os voluntários estavam se infiltrando no exército, pois a Revolução havia despertado o nacionalismo francês. No último esforço, as forças francesas verificaram os prussianos em 20 de setembro de 1792, em Valmy. No mesmo dia, uma nova reunião, a Convenção Nacional, foi realizada. No dia seguinte, anunciou a abolição da monarquia, assim como o estabelecimento da república.

A segunda fase

Durante a segunda fase da guerra (setembro de 1792 a abril de 1793), os revolucionários obtiveram mais sucesso. Exércitos franceses ocuparam a Bélgica, a Sabóia, a Renânia e o condado de Nice. Ao mesmo tempo, a Convenção Nacional foi dividida. Os Girondins queriam organizar uma república burguesa na França. Consequentemente, espalharam a Revolução por toda a Europa, e os Montagnards (“Mountain Men”), que, com Maximilien Robespierre, desejavam dar às classes mais baixas uma participação mais significativa no poder econômico e político. Apesar dos esforços de Girondins, Luís XVI foi julgado pela Convenção, condenado à morte por traição, e executado em 21 de janeiro de 1793; nove meses depois, Marie-Antoinette foi guilhotinada.

A terceira fase

A guerra entrou em sua terceira fase, marcada por novas derrotas francesas na primavera de 1793. Prússia, Áustria e Grã-Bretanha criaram uma coalizão (mais tarde chamada de Primeira Coalizão), à qual a maioria dos líderes da Europa aderiu. A França perdeu a Renânia e a Bélgica, e as forças invasoras advertiram Paris. Estes retrocessos, como os de 1792, encorajaram os extremistas. Os governantes Girondin foram expulsos da Convenção Nacional, e os Montagnards, que tiveram a assistência dos sans-culottes parisienses (trabalhadores, artesãos e comerciantes), ganharam poder e o mantiveram até 27 de julho de 1794. Os Montagnards, que também eram burgueses liberais sob pressão dos sem-culotes, e, para atender às exigências da defesa, tiveram que adotar uma política social e econômica radical. Eles organizaram o máximo (controle governamental dos preços), trouxeram assistência aos pobres, e aos deficientes, ao tributar os ricos, declararam que a educação deveria ser obrigatória e gratuita, e comandaram o confisco e a venda dos bens dos emigrados. Estas medidas radicais provocaram reações violentas: as Guerras da Vendée, as revoltas “federalistas” na Normandia e Provença, as revoltas de Lyon e Bordeaux e a Revolução dos Chouans na Bretanha. A oposição, entretanto, foi quebrada pelo Reinado do Terror 5 de setembro de 1793 a 27 de julho de 1794, que implicou na prisão de mais de 300.000 suspeitos, dos quais 17.000 foram condenados à morte e executados enquanto a maioria morreu nas prisões ou foram mortos sem qualquer forma de julgamento. Enquanto isso, o governo revolucionário levantou um exército que incluía mais de um milhão de homens.

A quarta fase

Com este exército, a Guerra entrou em sua quarta fase no início da primavera de 1794. Uma esplêndida vitória sobre os austríacos em Fleurus, em 26 de junho de 1794, permitiu aos franceses reocupar a Bélgica. O sucesso tornou o Terror, e as restrições sociais e econômicas pareciam inúteis. Robespierre, “o Incorruptíveis”, que tinha patrocinado os limites, foi derrubado na Convenção Nacional em 27 de julho de 1794, e executado no dia seguinte. Logo após sua derrota, o Máximo foi abolido, as leis sociais não foram mais aplicadas e os esforços em direção à igualdade econômica foram abandonados. Uma reação se instalou; a Convenção Nacional começou a debater uma nova constituição; e, enquanto isso, no Ocidente e no Sudeste, um realista “Terror Branco” irrompeu. Os realistas até tentaram ganhar poder em Paris, mas foram esmagados pelo jovem general Napoleão Bonaparte em 5 de outubro de 1795. Alguns dias depois, a Convenção Nacional se dispersou.

EVENTOS DE 1789

O Estado Geral se reuniu em Versalhes em 5 de maio de 1789. Eles foram imediatamente separados por um assunto fundamental: deveriam votar pelo chefe, dando o poder ao Terceiro Estado, ou pelo Estado, no qual as duas ordens privilegiadas do reino poderiam votar mais do que o terceiro? Em 17 de junho, o amargo conflito sobre este argumento legal finalmente levou os deputados da Terceira Fazenda a se nomearem a assembleia Nacional; eles advertiram para proceder, se necessário, sem as outras duas ordens. Eles foram apoiados por muitos dos párocos, que superaram significativamente o aristocrático clero superior entre os deputados da Igreja. Quando os representantes reais fecharam os deputados fora de seu salão de reuniões habitual, em 20 de junho, eles invadiram a quadra de tênis coberta do monarca (Jeu de Paume). Eles juraram não se separar até que tivessem concedido à França uma nova constituição. O rei, de má vontade, cedeu e pediu aos nobres e ao restante do clero que aderissem à assembleia, que recebeu o título oficial de assembleia Nacional Constituinte em 9 de julho; ao mesmo tempo, porém, começou a reunir tropas para dissolvê-la.

Estes dois meses de prevaricação, enquanto o problema de manter o abastecimento de alimentos havia atingido seu auge, provocou as províncias e as cidades. A reunião de tropas em torno da capital e a demissão de Necker começou uma rebelião em Paris. Em 14 de julho de 1789, a multidão parisiense tomou a Bastilha, que serviu como símbolo do despotismo real. Repetidamente o rei teve que ceder; visitando Paris, ele apontou para seu reconhecimento da soberania dos cidadãos, vestindo o galo tricolor.

Declaração dos Direitos do Homem

Nas regiões, o Grande Medo de julho levou os camponeses a se rebelarem contra seus senhores. Os burgueses e os nobres estavam agora assustados. A assembleia Nacional Constituinte só podia reconhecer uma maneira de controlar os camponeses; na noite de 4 de agosto de 1789, decretou o cancelamento do regime feudal e do dízimo. Depois, em 26 de agosto, organizou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, proclamando a liberdade, a inviolabilidade da propriedade, a igualdade, juntamente com o direito de combater a opressão.

Os decretos emitidos em 4 de agosto e a Declaração representaram tais inovações que o rei se recusou a aprová-las. Consequentemente, os parisienses se levantaram novamente, e em 5 de outubro marcharam para Versalhes. No dia seguinte, eles conduziram a família real de volta à capital. Seguidos pela corte, a assembleia Nacional Constituinte, e retomaram os trabalhos para a nova constituição.

O povo francês participou ativamente da nova cultura política moldada pela Revolução. Dezenas de jornais não censurados mantiveram os residentes a par dos acontecimentos, e clubes cívicos lhes permitiram expressar suas opiniões e crenças. Cerimônias públicas como o plantio de “árvores da liberdade” em pequenas vilas e o Festival da Federação, realizado em Paris em 1790 no primeiro aniversário da invasão da Bastilha, foram confirmações simbólicas da nova ordem.

O DIRETÓRIO E A EXPANSÃO

A constituição do ano III, aprovada pela Convenção Nacional concedeu um poder executivo em um Diretório de cinco membros e um poder jurídico em duas câmaras, o Conselho dos Quinhentos, o Conselho dos Antigos (coletivamente chamado Corps Législatif). Esta administração, uma república burguesa, poderia ter alcançado estabilidade se o conflito não tivesse continuado a luta entre revolucionários e contra-revolucionários em toda a Europa. A batalha, além disso, amargou os antagonismos atuais entre o Diretório e os conselhos legislativos na França e muitas vezes iniciou novos antagonismos. Estes argumentos foram resolvidos por golpes de Estado, principalmente os de 18 Fructidor, 4 de setembro de 1797, que retiraram os realistas tanto do Diretório quanto dos conselhos, e de 9 de novembro de 1799, em que Bonaparte terminou o Diretório e se tornou o governante da França como seu “primeiro cônsul”.

Após o sucesso de Fleurus, o progresso dos exércitos franceses na Europa tinha continuado. Holanda e Renânia foram ocupadas, e em 1795 Holanda, Prússia, Toscana e Espanha negociaram pela paz. Quando o exército francês sob o comando de Bonaparte invadiu a Itália (1796), a Sardenha chegou rapidamente a um acordo. A Áustria foi a última a ceder (Tratado de Campo Formio, 1797). A maioria das nações conquistadas pelos franceses foram estabelecidas como “repúblicas irmãs”, com instituições formadas sobre as da França revolucionária.

O fim da Revolução Francesa

A paz no continente europeu não impediu a expansão revolucionária. A maioria dos diretores havia compartilhado o desejo do Girondin de espalhar a Revolução pelo continente e escutou os apelos de Jacobin no exterior. Assim, as tropas francesas em 1798 e 1799 entraram nos Estados papais, na Suíça e em Nápoles e criaram as repúblicas romana, helvetica e parteno europeia. A Grã-Bretanha, no entanto, continuou a guerra com a França. Incapaz de efetuar uma chegada à Inglaterra, o Diretório, a pedido de Bonaparte, optou por ameaçar os britânicos na Índia, ocupando o Egito. Um corpo expedicionário sob Bonaparte rapidamente ocupou Malta e o Egito. No entanto, o esquadrão que tinha convocado a frota de Horatio Nelson a derrotou na Batalha do Nilo em 1º de agosto de 1798. Este desastre motivou a formação de uma Segunda Coligação de poderes alarmados com o crescimento da Revolução. Esta coalizão da Rússia, Áustria, Turquia e Grã-Bretanha alcançou grandes conquistas durante a primavera e o verão de 1799 e conseguiu levar os soldados franceses de volta às fronteiras. Bonaparte retornou à França para usar seu alto prestígio e o descrédito em que o exército reverteu o governo. Seu golpe de Estado de 18 Brumaire aboliu o Diretório e substituiu o consulado. Embora Bonaparte tenha anunciado o fim da Revolução, ele deveria difundi-la em novas formas por toda a Europa.

Leave a reply