HISTORIA DA REGIÃO DO SAHEL

Historia da Região do Sahel na África, vamos falar as principais características do local, as disputas e todas as curiosidades.

A Longa e Rica História da Região Sahel na Africa

Mais do que apenas um grande levantamento da arte da região, “Sahel: Arte e impérios nas margens do Saara” mobiliza discussões sobre migração e administração cultural contemporânea.

Sahel: Arte e impérios nas margens do Saara montam uma tremenda coleção de patrimônio cultural, abrangendo 1.300 anos entre o período pré-islâmico e o século XIX. O Sahel, que se traduz em “Costa” em árabe, é o terreno geográfico diretamente abaixo do Saara. Abstendo-se do Sahel história que começa com a colonização Européia, a exposição centra-se na histórica impérios de Gana (300 — 1200), Mali (1230 — 1600), Songai (1464 — 1591), e Segu (1640 — 1861). Estes reinos prosperaram muito antes do domínio colonial francês (1895-1960) e as fronteiras atuais do Senegal, Mauritânia, Mali, Níger, Nigéria e Chade.

Dada a raridade destas obras de arte que estão sendo reunidas no mesmo espaço de exposição, Sahel é uma exposição fundamental que exigiu um esforço colaborativo. A série foi curada por Alisa LaGamma, com o apoio de Yaëlle Biro, Oumy Mbaye, Mouhamet Traoré, e Hakimah Abdul-Fattah. Coleções nacionais da região — no Níger, Mali, Senegal E Mauritânia — emprestaram obras de arte para o Met, a fim de tornar possível tal exposição expansiva.

Espalhado por várias galerias, Sahel é organizado em temas globais: narrativas Sahelianas passadas e presentes; poesia épica e arquitetura; antiga Gana e diásporas Soninke; Comércio e Islã; Antigo Mali; Arqueologia; povos Dogon e Império Songhai; Emergência Do Fulani e do Conequest Umariano; o estado de Bamana Segu. Agora é um momento pertinente para uma grande pesquisa da cultura visual e material Saheliana, como a região tem feito manchetes internacionais para a crise dos migrantes, inúmeras guerras, e preocupações ecológicas em torno da desertificação de outrora terras aráveis. A exposição aborda estas preocupações, implícita e explicitamente, através de reflexões sobre a longa história da migração transaariana, das redes transculturais e da gestão cultural contemporânea. Apesar de existirem centenas de obras em exposição, muitos se destacam como particularmente emocionante para se contemplar: a monumental obra de pedra, o “Megalíticos” da região de Kaolack, no Senegal, entre os dias 8 e 9 de século, teria sido, originalmente, acompanhados por mais de um milhar de outras da mesma forma imponentes monumentos ao longo do Rio Gâmbia.

Os terracotas figurais da antiga metade do Níger também são estrelas da exposição. Uma delas é a” figura reclinada”, preservada dentro do Museu Nacional do Mali, Bamako, devido aos esforços para proteger antiguidades Malianas, iniciados em 1993, e uma campanha de educação nacional que logo se seguiu. Outras terracotas em exposição são de coleções dos EUA e da Europa, com histórias presumivelmente mais problemáticas. Devido a saques coloniais e atos iconolátricos contemporâneos, terracotas escavadas que circulam através de coleções institucionais e privadas, especialmente em coleções europeias e americanas, mantêm proveniências complexas — fazendo de sua exibição um momento de referência que é, de uma vez, ainda Trabalhada com tensões políticas.

Embora a linha do tempo da exposição se expande muito mais além do período relativamente curto do domínio colonial, o colonialismo em si continua a ser a razão central pela qual esses objetos existem em coleções ocidentais. O lançamento do” relatório Macron ” em 2018 energizou o ativismo popular e o diálogo institucional sobre o tema da arte africana saqueada. Apesar da crescente atenção, as instituições ocidentais têm se movido excepcionalmente lentamente para devolver os objetos roubados para suas casas de direito. Sahel coloca esta questão de novo em foco no contexto do Met, já que muitos dos objetos das coleções ocidentais em exibição foram o resultado de saques da era colonial. As parcerias com museus africanos são um passo na direção certa; no entanto, a dinâmica do poder é espantosamente clara: espera-se que os museus africanos emprestem obras de arte a instituições ocidentais, como o Met, onde os objetos saqueados dos seus países permanecem em coleções permanentes.

Sahel apresenta uma exibição abundante de túnicas coloridas da África Ocidental, objetos decorativos, manuscritos islâmicos, representações variadas da arquitetura Saheliana adobo, e um vídeo detalhando restaurações da Grande Mesquita de Djenné. Além disso, os textos de parede profundamente informativos compartilham histórias que enquadram os objetos, elaborando narrativas que lidam com fontes escritas Árabes, histórias orais, cosmologias e estudos arqueológicos.

Originalmente da antiga Gana, mas escavado no atual Noroeste do Senegal, o peitoral (o peitoral Rao) é um objeto decorativo dourado brilhante de um cemitério do século XII. Esta obra de arte, também apresentada na capa do catálogo de exposições, exemplifica as conexões estéticas e materiais trans-saarianas. Geógrafos árabes na época se referiam à antiga Gana como a” terra do ouro ” e os projetos arabescos são presumivelmente influenciados por comerciantes muçulmanos.

Uma exposição desta escala — tão rica em cultura material e visual, cobrindo uma extensão tão ampla de espaço, tempo e formas — incentiva uma ampla gama de perspectivas sobre as obras de arte exibidas. As implicações políticas de Sahel também se estendem além das da diplomacia internacional; as possibilidades feministas e bichas estão incorporadas no show, como em uma escultura de madeira Dogon do século XVIII de uma figura sentada.

No Twitter, Imara Jones, criadora de mídia TransLash, conectou o trabalho a esforços em curso com o objetivo de afirmar o valor da vida Trans Negra, levantando questões-chave sobre os movimentos de justiça social contemporâneos em relação às histórias antigas.

A escultura Africana clássica é muitas vezes imaginada fora da esfera das questões contemporâneas em torno do gênero e da sexualidade, apesar das formas em que a feminilidade, masculinidade e representações que transcendem o gênero Ocidental e binários sexuais estão presentes nas próprias obras. Enquanto o Met ainda usa terminologia desatualizada para descrever a figura, em espaços activistas queer a figura seria identificada como intersexual ou transgênero. Os seios da figura e falo nos lembram que representações de corpos como este não são novos nem limitados à arte ocidental. De fato, as características binaristicamente entendidas de “mulher” e “homem” na figura estão enraizadas em cosmologias Dogon, nas quais os seres humanos nascem com atributos masculinos e femininos. Engajando Sahel: Arte e impérios é vivenciado por acerto de contas com as ressonâncias contemporâneas do patrimônio cultural.

Mais do que apenas uma grande pesquisa de arte da região, Sahel é, em vez disso, uma vasta coleção de objetos que mobiliza inúmeras discussões.

Sahel: A arte e os impérios nas margens do Saara continuam até outubro 26 no Museu Metropolitano de arte. A exposição foi curada por Alisa LaGamma, com o apoio do assistente curador Yaëlle Biro, da Universidade Cheikh Anta Diop’s Oumy Mbaye e Mouhamet Traoré, e colaborador de pesquisa Hakimah Abdul-Fattah.

[themoneytizer id=”– Escolha um local –“]

Primeiramente, o que é Sahel? ou o que é significa Sahel? muitas pessoas querem saber, pois bem, já vamos adiantar que a palavra Sahel tem sua origem no idioma árabe é significa “Costa” além disso tem o significado também de “Fronteira” em árabe.

Reinos do Sahel
Reinos do Sahel

Uma imença região de terra é chamada de Região do Sahel, o grande cinturão esta localizado no continete Africano, são mais de 997 km de largura.

A região do Sahel tem inicio no Oceano Atlântico e finaliza seu território no Mar Vermelho.

A grande extensão da região do Sahel é tão imensa que divide o deserto do Saara com a floresta do Congo, com o clima seco o território do Sahel sobre com constantes secas em certos períodos do ano.

Uma região africana corta pelo território do Sahel é a costa do Guiné, ao oeste da África, ficando entre os países de Serra Leoa e a Nigéria.

A ocupação de povos na região do Sahel aconteceram nos anos 600 antes de cristo até os anos 200 a.c., e seus primeiros moradores foram comerciantes, que formaram aldeias perto de oásis, logo essas aldeias se tornaram cidades.

o que é sahel
o que é sahel

Após algumas cidades surgirem, e assim foram formados reinos e estados.

Com o fortalecimento de alguns reinos esses começaram a dominar territorios visinhos mais fracos, dando origem ao grande Império de Gana e Mali.

Impérios – O que Foram Os Reinos do Sahel

A presença de grandes comerciantes na região do Império de Gana, dentre os produtos de maior valor era a comercialização de grandes quantidades de ouro.

o que é o sahel
o que é o sahel

A região de Gana existia uma diversificação religiosa, bem diferente do que acontecia no Império de Mali.

O império de Gana começou a perder força por falta de organização, foi então que o gande exercito do Império de Mali invadiu e acabou com o império de Gana.

No Império de Mali existia apenas uma religião o Islamismo, e com o tempo passou a ter mais rotas para o ouro.

O fim do império de Mali aconteceu no século XIV, o motivo foram algumas disputas entre lideres poderosos da região.

Agora os povos Oyo Yorubá

Nos dias de hoje, a região de Sahel é dividida em oito países, são eles Senegal, Níger, Faso, Chade, Mali, Maurtânia, Camarões, Nigéria e Burkina.

A região de Sahel e um cinturão que passa em 8 países sendo eles a Burkina, Camarões, Chade, Faso, Mali, Maurtânia, Níger, Nigéria e Senegal.

Grupos extremistas religiosos são responsáveis por grande impor medo e disputas em países daquela região como Chade, Níger, Mali, Nigéria e Camarões.

Atualmente os habitantes da região de Sahel tem em torno de 32 milhões de pessoas.

A ONU Organização das Nações Unidas apresenta a região de Sahel como sendo de povos de extrema pobreza, muitos não tendo o que comer.

Com alto índice de mortalidade infantil, muitos moradores da região abandoaram suas casas por motivos como guerras, conflitos de milícias, tragédias climáticas como secas e enchentes.

A presenção de religiões monoteístas como Islamismo e Cristianismo na região é predominante.

Os Reinos de Sahel
Os Reinos de Sahel

A religião que predominava na região no século VI era o Axum, diferentemente do império da Núbia que predominantemente a religião cristã.

Logo que os árabes consquistaram a região do Sahel a religião Islamica foi amplamente difundida, como consequencia toda o norte do continente africano a religião islã foi propagada.

Com o passar dos anos a região do Sahel, pode-se observar que o processo de desertificação evidente constante, o que preocupa muito os povos que vivem nessa localidade.

Nos século IX até XVIII a região de Sahel era dividido em diferentes reinados, os reis eram quem controlava todo o comércio e rotas da região, isso gerou muita riqueza para os reinos.

Os impérios da região de Sahel controlavam a rota central, por onde era transportado diversos produtos, animais como cavalos e camelos tão importantes para as guerras da época.

As cidades da região de Sahel, tinham sua autonomia descentralizada, a origem dos primeiros reinados Sahellianos aconteceu em 750 A.C, tendo suas principais cidades Djenné, Bend, Timbuktu e Gao.

O surgimento das primeiras cidades aconteceu em 750 A.C, as principais foram Bend, Gao, Djenné e Timbuktu, e cada uma delas tinha sua autonomia e poder de decisão.

Os povos de Yoruba e Ashanti eram difíceis de serem dominados devido as suas características de terreno, era um região com densa floresta o que impedia o uso de cavalos, tão utilizados pelos exércitos mais poderosos da região.

Sahel Hoje

A região africana do Sahel enfrenta muitos desafios complexos e interligados. Aqui estão alguns dos principais, e como as Nações Unidas está ajudando a região a encontrar soluções.

A crise alimentar

Quando o Sahel aparece nas notícias, é muitas vezes porque milhões de pessoas correm o risco de passar fome. Uma crise humanitária geralmente se desenrola na parte de trás de uma crise alimentar. Em 2012, a vida de até 18 milhões de pessoas foi posta em risco na sequência de uma grande crise alimentar na região. Este ano, mais de 11 milhões enfrentam a mesma situação, enquanto 1,4 milhões de crianças estão ameaçadas de desnutrição grave. Mesmo em anos normais, milhões estão num estado permanente de insegurança alimentar. Nas últimas cinco décadas, secas persistentes contribuíram para episódios de fome. Há agora a necessidade de quebrar o ciclo de crises alimentares recorrentes na região, dizem muitos agentes humanitários.

Como está a ONU a ajudar?

Ao longo da temporada de magras deste ano—o período entre as colheitas de Maio a setembro—o Programa Alimentar Mundial (PAM) deu comida a entre 5 e 6 milhões de pessoas por mês através de seu programa de nutrição e segurança alimentar. Em 2012, a organização para a alimentação e Agricultura (FAO) ajudou mais de 5,2 milhões de pessoas através do apoio à produção de alimentos e culturas fora de Estação, projetos de conservação e reabilitação do solo e da água, e controle e monitoramento de gafanhotos do deserto. Com os seus parceiros, o Gabinete de coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) está também a mobilizar recursos e a ajudar as comunidades necessitadas.

A crise ambiental

Historicamente, o Sahel tem sido caracterizado por fortes variações climáticas e chuvas irregulares, que representam dois dos maiores obstáculos à segurança alimentar e à redução da pobreza na região, de acordo com o programa das Nações Unidas para o meio ambiente (PNUA). As coisas pioraram nas últimas décadas, dizem os especialistas. Entre 1970 e 1993, a região registou 20 anos de seca grave. A frequência e a gravidade das secas e inundações aumentaram ao longo deste período. A FAO relata que mais de 80% da terra da região está degradada. Em 2050, escreve Malcolm Potts da Universidade da Califórnia–Berkeley, com as emissões de gases de efeito estufa aumentando, as temperaturas serão mais quentes de 3 a 5 Graus Celsius e eventos climáticos extremos terão se tornado mais comuns.

Vários fatores explicam a crise ambiental do Sahel. “Durante o último meio século,” o PNUMA notas, “os efeitos combinados do crescimento da população, a degradação da terra (desmatamento contínuo de corte e pastoreio), reduzido e chuvas irregulares, a falta de coerência de políticas ambientais e equivocada de prioridades de desenvolvimento, contribuíram para transformar uma grande proporção do Sahel, em terra estéril, resultando na deterioração do solo e dos recursos hídricos.”

Como está a ONU a ajudar?

Entre outras recomendações, os funcionários da ONU têm instado a cooperação regional para acalmar as tensões entre os países da região, e assim reduzir o risco de aumento do conflito e migração induzida pelo meio ambiente. Achim Steiner, diretor executivo do PNUA, apontou para “a necessidade urgente de investimentos em adaptação em escala, avançando no fundo verde, e medidas de apoio como a redução de emissões de desmatamento e degradação florestal, bem como a realização do financiamento climático de US $100 bilhões por ano até 2020.”

Sahel
Sahel
Reino de Sahel
Reino de Sahel

Insegurança e instabilidade política

A instabilidade política assola alguns dos países do Sahel há anos. No Mali, O golpe militar de Março de 2012 trouxe uma parada abrupta para 20 anos de democracia estável. No rescaldo, terroristas que ocuparam a maior parte da região norte começaram a dirigir-se para sul, com a intenção de assumir o controle de todo o país. Em janeiro de 2013, uma intervenção liderada pela França e apoiada pelo Chade interrompeu o seu avanço. O conflito agravou a crise humanitária e de segurança, em parte interrompendo as rotas de abastecimento e causando escassez de alimentos.

A crise no vizinho Darfur, no Sudão, e a presença de uma rebelião armada no leste prejudicaram a segurança do Chade, que durará muitos anos. Durante os 50 anos de independência do Níger, nota um relatório do Grupo Internacional de crise, um think tank, o país viu duas rebeliões Armadas, quatro golpes, sete governos e períodos de promissoras mudanças democráticas, bem como reveses.

Numa região com fronteiras porosas, uma crise política ou de segurança num país constitui frequentemente uma grave ameaça para os vizinhos. Estas fronteiras beneficiaram as redes criminosas e os traficantes de drogas. O escritório das Nações Unidas para drogas e Crime (UNODC) estimou que os principais fluxos ilícitos ligados às atividades criminosas no Sahel ascenderam a US $3,8 bilhões por ano.

Como está a ONU a ajudar?

O UNODC ajudou recentemente a mediar um acordo entre Mali, Marrocos, Níger, Burkina Faso, Chade e Argélia para resolver os problemas causados pelo tráfico de drogas, crime organizado e terrorismo. Em julho, o Conselho de segurança das Nações Unidas autorizou o envio de uma missão de manutenção da paz para ajudar o Mali no seu regresso à estabilidade.

Economias frágeis

A agricultura do Sahel emprega a maioria da força de trabalho da região e contribui fortemente para o seu Produto Interno Bruto (representando até 45% em alguns países da região). Desempenha também um papel central na segurança alimentar. No entanto, continua a ser altamente subdesenvolvido e caracteriza-se por uma dependência quase total de três a quatro meses de precipitação por ano, bem como por um baixo uso de insumos externos, como sementes e fertilizantes, a ausência de mecanização e más ligações aos mercados.

De acordo com o PNUA, as secas recorrentes das décadas de 1970 e 1980 causaram perdas maciças de produção agrícola e pecuária, perda de vidas humanas para a fome, desnutrição e doenças, deslocamentos maciços de pessoas e economias despedaçadas. As alterações climáticas também podem ter consequências negativas na produção agrícola e na segurança alimentar no Sahel, diz O PNUA. Em suma, os países do Sahel têm um fraco desempenho no Índice de Desenvolvimento Humano do PNUD, uma medida do bem-estar económico e social de um país.

Como está a ONU a ajudar?

O Banco Mundial acredita que a irrigação poderia permitir à agricultura do Sahel superar os desafios colocados por um ambiente hostil e produzir mais alimentos para seu povo. “Embora o deserto e a aridez definam o Sahel”, disse o Vice-Presidente do Banco Mundial para a África, Makhtar Diop, em um recente artigo op-ed, ” seus vastos recursos hídricos continuam por explorar. Numa região onde a agricultura é a atividade económica predominante, infelizmente, apenas 20% do potencial de irrigação do Sahel foi desenvolvido. Pior ainda, um quarto da área equipada com irrigação está em mau estado.”

Leave a reply