A Primeira Guerra Mundial Resumo e completo

A Primeira Guerra Mundial Resumo e completo saiba as causas, data, combatentes, exercito de países envolvidos, tudo que você precisa saber.

A Primeira Guerra Mundial Resumo
A Primeira Guerra Mundial foi a maior guerra até à data. Envolveu mais de vinte países de todos os continentes.

A seguir, Primeira Guerra Mundial Resumo com as principais características, causas e consequências da chamada Grande Guerra.

Primeira Guerra Mundial Resumo

Primeira Guerra Mundial Data
Uma das primeiras informações inportantes é quando aconteceu a primeira guerra mundial, a data é importante porque marca a historia.

A Primeira Guerra Mundial teve lugar entre 28 de Julho de 1914 (declaração de guerra de Austro-Hungria à Sérvia) e 11 de Novembro de 1918 (assinatura do armistício entre a Alemanha e os Aliados).

primeira guerra mundial data

Primeira Guerra Mundial Países Envolvidos
primeira guerra mundial paises envolvidos

Os dois campos principais os países envolvidos eram, de um lado, os chamados Impérios Centrais:

Alemanha
Austro-Hungria
Império Otomano
Reino da Bulgária (entrou na Grande Guerra em Outubro de 1915)
e, por outro lado, os Aliados:

Reino Unido
França
Império Russo
Reino da Sérvia
Reino da Itália (entrou na guerra em Maio de 1915)
Estados Unidos (entrou na guerra em Abril de 1917)
No caso do lado dos Aliados, outros países também participaram do seu lado militarmente:

Montenegro
Japão
Portugal
Roménia
Grécia
Albânia
Brasil
Armênia
Tchecoslováquia
Finlândia
Sião
São Marino
Causas

A deflagração da Primeira Guerra Mundial teve várias causas económicas, políticas e militares, mas podemos destacar as seguintes:

primeira guerra mundial combatentes

O crescimento alemão como consequência da Segunda Revolução Industrial e das tentativas de criação do seu próprio Império Colonial, que levaram a confrontos com a França e o Reino Unido.
Confrontos políticos entre o Reino Unido, França e Rússia com a Alemanha, o Império Otomano e a Austro-Hungria nos territórios da Alsácia e da Lorena, Polónia, Marrocos e Balcãs.
Aumento das despesas militares na Alemanha que causou medo principalmente na França.
Política da aliança alemã com dois blocos diferenciados: Triple Alliance e Triple Entente.
O assassinato do Arquiduque Franz Ferdinand em Sarajevo (Território do Império Austro-Húngaro) por separatistas bósnios com o apoio do Reino da Sérvia, provocou a declaração de guerra do Império Austro-Húngaro à Sérvia, um mês depois. Esta declaração, juntamente com as alianças estabelecidas, causou um efeito em cadeia e, algumas semanas mais tarde, quase toda a Europa estava em guerra.

O Curso da Primeira Guerra Mundial
primeira guerra mundial causas

No início da guerra, a Alemanha conseguiu uma série de vitórias sobre o exército francês ao trazer a frente para a França. Esta frente iria se tornar uma guerra de trincheiras que durou quase toda a guerra e sofreu pouca mudança nas linhas.

Na frente oriental, o exército alemão conquistou a Polónia e, apoiado por tropas dos Impérios Austro-Húngaro e Otomano, enfraqueceu o já fraco exército russo.

Devido às centenas de milhares de vítimas causadas pela guerra na Rússia e a fatores políticos e econômicos internos, uma revolução interna eclodiu na Rússia em outubro de 1917, que levaria à criação da URSS. Alguns meses depois, em março de 1918, a URSS assinou um armistício com as potências centrais, cedendo grande parte do território imperial russo à Alemanha, à Áustria-Hungria e aos otomanos.

A guerra também afectou outros territórios, principalmente os Balcãs, o Médio Oriente e África, onde os aliados derrotaram sucessivamente as potências centrais.

O Fim da Guerra Primeira Guerra Mundial
O bloqueio naval da Alemanha, a entrada dos Estados Unidos para reforçar a frente ocidental e as derrotas dos Impérios Otomano e Austro-Húngaro praticamente deixaram a Alemanha sozinha no início de 1918. Dada a situação desesperada da população alemã, a agitação interna e as poucas reservas remanescentes do exército alemão, os generais começam a ver claramente que a guerra está perdida e, após uma revolução em Berlim e a fuga do Kaiser, o governo provisório alemão assina o armistício em Novembro de 1918.

Conseqüências Primeira Guerra Mundial
A principal consequência da Primeira Guerra Mundial foi o desaparecimento de quatro impérios:

Império Alemão
Império Austro-Húngaro
Império Otomano
Império Russo (o único país entre os Aliados que perdeu na Grande Guerra)
Além disso, os Estados Unidos começaram a consolidar-se como uma grande potência, em detrimento da França e do Reino Unido. No Médio Oriente, vários territórios tornaram-se independentes e surgiram vários conflitos que em alguns casos persistem ainda hoje (conflito árabe-israelita).

Na Rússia, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, ou URSS, surgiu e foi dominada por um dos dois grandes blocos político-militares do século XX.

As sanções impostas à Alemanha, como principal “causa” da Grande Guerra, foram um terreno fundamental para o nascimento e fortalecimento de vários movimentos fascistas que triunfaram na Europa na década de 1930 e que no caso da Alemanha levariam à Segunda Guerra Mundial.

Primeira Guerra Mundial Completo
As Causas da Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra Mundial, mais tarde chamada “A Grande Guerra”, teve várias causas políticas, econômicas e territoriais, principalmente. Vamos agora analisar cada um deles.

É essencial salientar que a Primeira Guerra Mundial foi um conflito entre várias potências centrais – Alemanha, Austro-Hungria e os otomanos, juntamente com a Bulgária – contra vários países, incluindo Inglaterra, França, Rússia e Itália.

Causas Econômicas
Entre o final da década de 1860 e o início da década de 1870, o fenômeno econômico chamado Segunda Revolução Industrial começou a tomar forma. Esta revolução econômica mudou drasticamente os mercados com o surgimento de novas indústrias tecnológicas, como a siderurgia e, especialmente, a indústria química e elétrica, cujo país líder era a Alemanha.

Além disso, as políticas econômicas passaram de um liberalismo impulsionado pelo Império Britânico durante a Primeira Revolução Industrial para um protecionismo que provocou uma série de constantes conflitos políticos entre as grandes potências históricas: Inglaterra e França com as novas potências emergentes, Estados Unidos, Japão e Alemanha.
Com a Segunda Revolução Industrial começou um primeiro episódio de globalização, impulsionado pelo imperialismo existente e liderado pela Inglaterra e, em menor medida, pela França.

A partir do final do século XIX, o Império Britânico começou a sofrer um declínio económico em detrimento da Alemanha, que estava cada vez mais presente nos mercados e interferia nos assuntos coloniais para formar o seu próprio império colonial que rivalizava com os britânicos e franceses.

Causas Territoriais
A Alemanha culminou sua unificação após sua vitória na Guerra Franco-Prussiana que terminou em 1871 com a proclamação de Guilherme I como Kaiser do novo Império Alemão. O novo Império Alemão foi formado:

A Confederação do Norte da Alemanha: 22 Estados, incluindo a Prússia (a principal força motriz da unificação alemã)
Reino da Baviera
Reino de Württemberg
Grão-Ducado de Baden
Grão-Ducado de Hesse e do Reno
Território Imperial da Alsácia e Lorena

Este último território (Alsácia e Lorena) pertenceu à França até ao fim da guerra franco-prussiana em 1871, mas passou para as mãos da Alemanha após a assinatura do tratado de cessação das hostilidades, como resultado da derrota francesa na guerra.

Para a França, a perda deste território foi um duro golpe e tanto a população como o governo francês sempre esperaram recuperá-lo, algo que aconteceria como consequência da derrota alemã na Primeira Guerra Mundial.

Como já mencionámos, após a unificação alemã, tentaram criar o seu próprio império colonial para competir económica e politicamente com as duas grandes potências coloniais (Inglaterra e França).

O maior choque ocorreu em Marrocos, como resultado de duas crises que ocorreram em território marroquino em 1905 e 1911. Na segunda crise, a Alemanha consegue pressionar a França a desistir de parte do Congo em troca do controlo francês de Marrocos. Hoje existem opiniões diferentes sobre o facto de a questão colonial ter sido um factor determinante na eclosão da guerra.

A Polónia era também um território onde existiam fortes pressões de vários tipos. Por um lado, os polacos estavam “divididos” entre a Prússia, Rússia e Austro-Hungria desde 1772. Em 1815, a Polónia perderia definitivamente a sua “independência” e tornar-se-ia uma província da Rússia, Prússia e Império Austro-Húngaro sob a seguinte divisão:

Província de Posen (Prússia)
Reino da Galiza e Lodomeria (Império Austro-Húngaro)
Czarate of Poland (Império Russo)
Na área controlada pelo Império Austro-Húngaro, surgiram movimentos independentistas polacos liderados por Józef Pilsudski, cujo principal inimigo era considerado o Império Russo, que controlava a maior parte do território histórico da Polónia. As relações entre a Rússia e o Império Austro-Húngaro deterioraram-se cada vez mais devido à situação na Polónia e foi uma das razões para o confronto entre estes dois países.

A região dos Balcãs foi uma das principais razões para o início da Primeira Guerra Mundial, devido à luta entre a Rússia de um lado e o Império Otomano e Austro-Hungria do outro lado.

O Império Otomano perdeu gradualmente vários territórios nos Balcãs onde países independentes surgiram sob o apoio russo a partir do final do século XIX.

Duas guerras ocorreram na região, entre 1912 e 1913, onde o Império Otomano enfrentou uma liga de países aliados: Grécia, Bulgária, Sérvia e Montenegro. Mais tarde, em 1913, a Bulgária, descontente com o tratado de paz assinado alguns meses antes, enfrentou os seus antigos aliados e o Império Otomano.

A principal consequência dos conflitos nos Balcãs foi a emergência de uma Sérvia forte, ansiosa por aumentar o seu território, reivindicando principalmente o Império Austro-Húngaro (território da Bósnia-Herzegovina), que se recusou a deixar a Sérvia ter cada vez mais influência na região.

Pouco antes do início da Guerra dos Balcãs, houve outra guerra que colocaria o Império Otomano contra o Reino da Itália pelo controle da atual Líbia. Nesta guerra, que durou apenas 1 ano (setembro de 1911 – outubro de 1912), a Itália derrotaria as tropas otomanas, o que reforçou ainda mais o sentimento nacionalista nos Balcãs, como resultado da fraqueza manifesta do Império Otomano.

A Rússia, outro dos impérios que participaram na Primeira Guerra Mundial, também teve vários conflitos abertos no leste de seu território. Entre 1904 e 1905, teve lugar a Guerra Russo-Japonesa. Esta guerra foi uma consequência das ambições imperialistas de ambos os países sobre a península coreana e sobre o território da Manchúria. A derrota russa foi um golpe no expansionismo russo na Ásia e um endosso ao Japão como nova potência asiática.

A Corrida de Armas ou Paz Armada
A partir do final do século XIX, os principais países europeus entraram numa corrida armamentista sem precedentes. A Alemanha, desejosa de melhorar o seu estatuto de Império, tomou para si a tarefa de aumentar o seu poder naval para rivalizar com o Império Britânico. Esta política seguida pelo Imperador Wilhelm II era conhecida como a realpolitik, que substituiu a política pacifista e de equilíbrio de poder que tinha prevalecido na Alemanha desde a sua unificação e era conhecida como realpolitik. A França também aumentou consideravelmente as suas despesas militares, por medo da ameaça alemã.

A segunda revolução industrial também teve um efeito a nível militar com a criação de novas armas como o tanque ou o submarino e a melhoria de outras como as pistolas e metralhadoras.

A política de alianças
Sem dúvida, uma das causas fundamentais do início do conflito foi a política de alianças, em 1914, que levou metade do mundo a ser arrastado para o conflito armado e a tornar-se o maior conflito da história até aquele momento.

Em 1873 o Chanceler alemão Otto Von Bismarck tentou, sem sucesso, fazer passar uma aliança de três vias entre o Império Austro-Húngaro, a Rússia e a Alemanha. No final, esta aliança não foi possível devido às reticências dos russos e dos austríacos. Apesar de não ter conseguido unir a Rússia na aliança, a Alemanha assinou uma aliança com o Império Austríaco conhecida como a Dupla Aliança. Em 1882 o Reino da Itália juntar-se-ia à Aliança Dupla, formando a Aliança Tríplice.

Apesar dos esforços de Otto von Bismarck para trazer a Rússia para a Aliança, os russos e a França finalmente assinaram uma aliança para combater a Tríplice Aliança em 1892.

Por sua vez, o Império Britânico assinou primeiro com a França (Entente Cordiale de 1904) e depois com a Rússia (Anglo-Russa Entente de 1907) uma série de tratados para contrariar o crescente poder alemão. Embora estes acordos não fossem alianças militares, referiam-se principalmente à partilha colonial e à possibilidade de a Grã-Bretanha poder entrar do lado da França e/ou da Rússia em diferentes conflitos futuros, razão pela qual esta aliança era conhecida como a Tríplice Entente.

Em resumo, em 1914, havia dois grandes blocos de países aliados que se chocariam entre si:

Aliança Tripla: Alemanha, Itália e Austro-Hungria
Triple Entente: Grã-Bretanha, França e Rússia
No entanto, o Reino da Itália não participou da Tríplice Aliança, devido às suas reivindicações territoriais na Áustria e apoiou a Grã-Bretanha, França e Rússia na Primeira Guerra Mundial.

Detonador da Primeira Guerra Mundial (Causa Belli)
Fatores políticos, territoriais e econômicos foram as principais causas da Primeira Guerra Mundial. Finalmente, vamos analisar o gatilho da Primeira Guerra Mundial e a série de afrontas que fizeram com que mais de 20 países se enfrentassem no maior conflito armado até agora, que era conhecido como a Grande Guerra.

Em meados de 1914, havia uma atmosfera significativa antes da guerra na Europa. Só foi necessário um gatilho para a máquina de guerra começar a funcionar. Este desencadeamento foi produzido na área conflituosa dos Balcãs, onde apenas alguns meses antes do último conflito armado tinha acabado de terminar.

Em 28 de junho de 1914, um ataque terrorista ocorreu na cidade de Sarajevo, matando o herdeiro ao trono do Império Austro-Húngaro, o Arquiduque Franz Ferdinand da Áustria. A sua esposa, Duquesa Sophie Chotek, também morreu no ataque.

Sarajevo foi a capital da província da Bósnia-Herzegovina, pertencente ao Império Austro-Húngaro desde 1878, depois de ter recebido sua administração pelo Congresso de Berlim, após uma série de revoltas independentistas contra a administração otomana da região.

O governador da Bósnia-Herzegovina, General Oskar Potiorek, convidou o arquiduque e sua esposa para testemunhar algumas manobras militares na área. Após iniciar um passeio pela cidade em um carro aberto, uma granada foi jogada no veículo adjacente e após a explosão o Arquiduque Francisco e sua esposa fugiram da área, mas quando viraram uma esquina foram surpreendidos pelo terrorista Gavrilo Princip e mortos a tiros na rua.

O terrorista Gavrilo Princip pertencia a um grupo chamado Young Bosnia que lutava pela libertação da área da Bósnia por sua incorporação à Sérvia, com o objetivo de formar um grande Estado iugoslavo.

Para o governo do Império Austro-Húngaro, a Sérvia estava por trás do ataque e não hesitou em iniciar uma escalada diplomática, conhecida como Crise de Julho, durante 30 dias depois, em 28 de Julho de 1914, para declarar guerra à Sérvia, iniciando formalmente a Primeira Guerra Mundial.

Se você quer saber as consequências da Primeira Guerra Mundial, convido-o a ler o seguinte artigo:

Consequências da Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra Mundial terminou em 11 de novembro de 1918 com a assinatura do Armistício de Compiègne, no qual a Alemanha se rendeu aos Aliados.

A Grande Guerra teve consequências diferentes e variadas tanto em termos demográficos, como políticos e económicos.

Além disso, não podemos ignorar que a última consequência da Primeira Guerra Mundial foi a subsequente Segunda Guerra Mundial, uma vez que os tratados de paz e as condições impostas à Alemanha após a Grande Guerra foram o principal caldo de cultura da maior guerra da história, 20 anos depois.

A seguir, vamos analisar as diferentes consequências da Primeira Guerra Mundial.

Consequências Demográficas
A Primeira Guerra Mundial deixou entre 9 e 10 milhões de soldados mortos e mais de 20 milhões feridos. Estima-se que mais de 7 milhões de civis perderam as suas vidas.

Abaixo está uma imagem com uma tabela que mostra as baixas civis e militares aproximadas de cada lado:

Custo Humano Grande Guerra

Além disso, houve um grande aumento no desequilíbrio de gênero e idade, dado o grande número de homens jovens que pereceram na guerra. Isto, por sua vez, levou a uma queda na taxa de natalidade, pois muitas mulheres ficaram viúvas e sem filhos.

Consequências territoriais
O fim da Primeira Guerra Mundial significou principalmente o desaparecimento de 4 impérios e dinastias: os impérios alemão, russo, otomano e austro-húngaro foram substituídos por repúblicas e em alguns casos, como nos austríacos e otomanos, vários países emergiram de seus territórios.

Emergência de novos países
Após o fim da Primeira Guerra Mundial, vários países emergiram dos antigos territórios governados principalmente pelos impérios centrais:

Polónia (os seus territórios faziam parte dos Impérios Alemão, Russo e Austro-Húngaro).
Finlândia (do Império Russo)
Estónia (do Império Russo)
Lituânia (do Império Russo)
Letónia (do Império Russo)
Tchecoslováquia (do Império Austro-Húngaro)
Hungria (do Império Austro-Húngaro)
Jugoslávia (incluindo o Reino da Sérvia e os territórios do antigo Império Austro-Húngaro)
Síria-Líbano (Território do antigo Império Otomano administrado pela França)
Iraque (Território do antigo Império Otomano administrado pelo Reino Unido)
Iêmen (do Império Otomano)
Mudanças de fronteiras
Além disso, muitos outros países viram as suas fronteiras mudarem:

A França recuperou os territórios da Alsácia e da Lorena perdidos na guerra franco-prussiana de 1871
Os municípios de Eupen e Malmedy realizaram um plebiscito para determinar se pertenciam à Alemanha ou à Bélgica, com o resultado de que passaram para as mãos da Bélgica.
A área da Silésia (hoje Polônia em grande parte) também realizou um plebiscito para determinar sua incorporação na nova Polônia que surgiu após a Primeira Guerra Mundial.
Roménia anexada Transilvânia (parte do Império Austro-Húngaro até à data).
O território da Armênia foi dividido entre a Turquia e a URSS (Tratado de Lausanne 1923).
Para além destas mudanças fronteiriças e da emergência de alguns países, iniciou-se uma série de movimentos e lutas pelo poder com objectivos diferentes na área do Médio Oriente entre os árabes e as potências britânica e francesa, onde também surgiu o movimento de independência israelita e a rebelião da família saudita na Península Arábica, levando à criação da Arábia Saudita.

Consequências Políticas
Na esfera política, para além das mudanças territoriais ocorridas, houve quatro consequências principais:

Punição militar dos derrotados (principalmente na Alemanha)
Emergência do Nacionalismo, Revanchismo e Extremismo em diferentes países europeus.
O triunfo do comunismo na Rússia e a expansão da URSS.
Criação da Liga das Nações
Os Aliados impuseram aos países derrotados, especialmente à Alemanha, um controlo dos seus exércitos, a fim de evitar um ressurgimento militar. Contudo, estas imposições foram contornadas pela Alemanha nazista a partir de 1933.

Movimentos nacionalistas e extremistas de diferentes tipos surgiram em todos os países, embora na maioria dos casos movimentos extremistas de direita e de esquerda não tenham conseguido tomar o poder político, exceto na Itália e na Alemanha, onde o fascismo chegou ao poder, fato que marcaria o período entre as guerras e seria fundamental para a entrada de ambos na Segunda Guerra Mundial.

Finalmente, não se deve esquecer que, em plena Primeira Guerra Mundial, houve uma revolta na Rússia que levou à queda do czarismo em 1917 e uma mudança no sistema político, de uma monarquia quase feudal para o estabelecimento de um Estado socialista, formalmente chamado União das Repúblicas Socialistas Soviéticas ou URSS, após a sangrenta Guerra Civil que terminou em 1923.

Em 3 de março de 1918, a Rússia Soviética assinou o Tratado de Brest-Litovsk com as Potências Centrais, no qual o recém-criado Estado Soviético renunciou aos territórios da Finlândia, Bielorrússia, Estônia, Lituânia, Letônia, Polônia, Ucrânia, Livônia, Curlândia e Bessarábia, que haviam sido retomados pelos Impérios Centrais.

Com a derrota dos Impérios Centrais alguns meses mais tarde, a maioria destes países tornou-se independente.

Finalmente, no âmbito do Tratado de Versalhes, foi criada a Liga das Nações (precursora das actuais Nações Unidas) para a manutenção da paz e a organização das relações internacionais após a Primeira Guerra Mundial.

Conseqüências Econômicas
A Alemanha foi o grande motor econômico dos impérios centrais durante a Primeira Guerra Mundial, com um gasto de quase 20 bilhões de dólares. Só o Império Britânico, com 23 bilhões de dólares, gastou mais que isso.

Os Estados Unidos, que mais tarde entrariam na guerra, também gastaram mais de 17 bilhões na Grande Guerra. Abaixo podemos ver uma tabela com os gastos aproximados de cada país durante a Primeira Guerra Mundial:

Custos Económicos da Grande Guerra
Já durante o período que antecedeu o início da guerra, os principais países envolvidos (Grã-Bretanha, França e Alemanha) aumentaram consideravelmente as despesas militares. Durante a guerra, todos os países participantes contraíram dívidas consideráveis na esperança de que as receitas das “reparações de guerra” no final da guerra lhes fossem favoráveis e impulsionassem a economia.

O que realmente aconteceu foi que os Estados Unidos se tornaram o principal credor de todas as outras nações, um fator chave que faria com que a crise de 1929 se estendesse a muitos países, dada a alta dependência econômica dos Estados Unidos após a guerra.

Outra consequência a nível económico foi o abandono do padrão-ouro. Até então, os bancos centrais de cada país tinham reservas de ouro para responder à dívida emitida, mas, com o início da guerra, a distribuição do ouro entre os países era desigual.

Como resultado desta situação, foi decidido mudar para um modelo fiduciário (aquele que temos hoje). Nos primeiros anos, este novo modelo causou grandes pressões inflacionistas como resultado da emissão excessiva de moeda por alguns países. Na Alemanha e na Áustria em particular, a hiperinflação ocorreu como resultado da necessidade do Estado de financiar os gastos da guerra, emitindo moeda sem controle.

Incorporação da mulher no mundo do trabalho
Como resultado do chamado às armas de centenas de milhares de soldados, muitos dos empregos anteriormente ocupados por homens foram abandonados. Perante esta situação, as mulheres começaram a trabalhar em muitos sectores onde anteriormente tinham sido praticamente proibidas de entrar.

Perda progressiva do poder europeu para os Estados Unidos
No início da Primeira Guerra Mundial, a Europa era a referência para a política e economia mundial. O tecido produtivo do mundo estava principalmente em mãos europeias. Com o início da guerra, os Estados Unidos tornaram-se a principal fábrica dos Aliados e o seu nível de produção multiplicou-se. No início da Primeira Guerra Mundial, 55% do PIB mundial era europeu. Após o fim da Grande Guerra, 55% do PIB mundial era americano.

Compensações de Guerra – Conferências de Paz em Paris
Para a Alemanha e seus aliados, o principal efeito econômico da Primeira Guerra Mundial foram as reparações de guerra que tiveram que enfrentar após a assinatura de vários tratados que incluíam várias cláusulas e compensações econômicas que os antigos Impérios Centrais tiveram que pagar aos aliados vitoriosos.

Os tratados foram assinados, por um lado, pelos Aliados (representados principalmente pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Itália) com cada um dos países participantes na Primeira Guerra Mundial do lado dos Impérios Centrais. Alguns destes países foram criados recentemente, como vimos na secção sobre as consequências territoriais da Primeira Guerra Mundial.

Tratado de Versalhes (assinado pelos Aliados e pela Alemanha)
Era o tratado principal, uma vez que a Alemanha era considerada a principal responsável pela guerra. Este tratado expõe as consequências políticas, territoriais e económicas impostas à Alemanha após o fim da guerra.

A Alemanha perdeu vários territórios e também teve de compensar os Aliados com o pagamento de 31,4 mil milhões de dólares. Além disso, o exército alemão foi reduzido para 100.000 soldados.

Tratado de Saint Germain en Laye (assinado pelos Aliados e pela Áustria)
Este tratado estabeleceu o desmembramento do antigo Império Austro-Húngaro, bem como algumas cláusulas políticas sobre o futuro da Áustria e também a obrigação de assumir a compensação financeira aos Aliados, embora devido à falência sofrida alguns anos depois, a Áustria nunca pagaria qualquer compensação financeira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *